Mídia alternativa e novas oportunidades para jornalistas em debate no campus Zona Sul

reportagem|BRENDA AURÉLIO
fotos|JOSIANE SKIERESINSKI

Jornalismo alternativo, mídia imprensa e novas possibilidades: esses foram os assuntos do III Painel de Jornalismo Avançado realizado na terça-feira (25/10) no campus Zona Sul. O evento, que ocorreu no auditório do prédio D, reuniu alunos para um debate com profissionais do mercado. Participaram o jornalista Guilherme Oliveira; o vice-presidente da Associação Riograndense de Imprensa (ARI), Luiz Adolfo Lino de Souza (à direita na foto); e o diretor-executivo da TV Restinga, Márcio Figueira (à esquerda). A mediação foi do professor Matheus Felipe, do curso de Jornalismo da UniRitter.

Iniciando os debates, Luiz Adolfo deu uma aula de história política do jornalismo imprenso. Falou do surgimento do jornal de oposição à ditadura militar, o Pasquim; do Coojornal à Folha da Manhã; de Paulo Francis a Caldas Júnior. O jornalista ainda traçou um paralelo entre o jornalismo de hoje, com a facilidade da internet, e o jornalismo de camaradagem da década de 70. Luiz Adolfo ainda incentivou os alunos a pensar sobre o papel do jornalista atual, das grandes empresas alternativas que podem surgir, e do sonho de cooperativa que pode acontecer num simples site de jornal digital.

Matheus Felipe, mediador do debate, e o jornalista Guilherme Oliveira (Foto: Josiane Skieresinski)
Matheus Felipe, mediador do debate, e o jornalista Guilherme Oliveira (Foto: Josiane Skieresinski)

O segundo painelista foi o diretor e um dos fundadores do canal comunitário TV Restinga, Márcio Figueira. A iniciativa surgiu da necessidade dos moradores do bairro de contar histórias diferentes das que geralmente aparecem na chamada “grande mídia”. Figueira, que também é diretor de filmes da TNG, chocou os alunos falando sobre as 28 vilas que formam a Restinga, e sobre as ONGs, projetos e trabalhos sociais que se desenvolvem na comunidade e não são divulgados nos meios de comunicação convencionais. “Violência e tráfico fazem parte da nossa realidade, mas não é a única realidade que temos”, disse Figueira. Com uma câmera de celular e um canal de Youtube, a Restinga conseguiu mostrar um lado positivo do bairro. Figueira ainda sobre a dificuldade em manter um canal que não recebe auxílio do governo e finalizou o painel aconselhando aos jovens a buscar acesso a meios de comunicação alternativos.

Formado em Jornalismo pela PUCRS, Guilherme Oliveira falou da dominação do homem sobre o homem pela cabeça, pela mente, pelo pensamento. Destacou que é fundamental buscar a leitura, buscar os debates e, principalmente, promover esses debates na sociedade. Também provocou a reflexão questionando o tipo de informação que a sociedade está consumindo. Além disso, o jornalista trouxe discussões sobre as concessões públicas ocupadas por rádios e canais de televisão e lembrou que, muitas vezes, são políticos que controlam essas mídias.

mariana_oselame

Faculdade de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.